10 lugares sinistros para se conhecer

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O mundo é cheio de destinos assombrados e assustadores para se visitar. Não faltam histórias de fantasmas e crimes hediondos para enfeitar os passeios. Os destinos listados aqui podem não ser dos lugares mais assustadores do mundo, mas com certeza já dão algumas dicas caso você planeje conhecer pontos com temas sinistros.

 

10 – Cidade dos Mortos (Nova Orleans, EUA)

destinos sinistros cidade dos mortos

Quando a cidade estava sendo povoada as pessoas não podiam enterrar seus mortos. Por se localizar em um terreno muito úmido, bastava cavar alguns metros que tudo ficava cheio de lama e os caixões chegavam a boiar. Se houvesse uma enchente ou uma chuva forte, os mortos voltavam das tumbas (será que um mito de zumbis surgiu aqui?). Por isso existe um número absurdo de mausoléus e criptas acima da terra, quase sempre com decorações muito bonitas, valendo muito a visita.

 

09 – Castelo Bran (Romênia)

destinos sinistros bran castle

Todo mundo pensa que este é o castelo do Drácula. Talvez possamos dizer que isso é o mais próximo da verdade que você irá chegar. O local serviu de moradia para Vlad III (O Impalador), personagem real que serviu de inspiração para a criação do Conde Drácula de Bram Stoker. Lá você encontrará passeios com guias que contarão tudo sobre o personagem e a cultura dos vampiros, muito popular nas redondezas.

 

08 – As abóbadas subterrâneas (Edimburgo, Escócia)

destinos sinistros vaults subterraneos

Após a construção de uma ponte ao sul da cidade, as pessoas acreditavam que homens de negócio e da indústria utilizariam as 120 abóbadas, localizadas na parte de baixo como área de descanso. O problema é que 30 anos depois os negócios foram embora e o local passou a ser utilizado por mendigos e a falta de manutenção deixou tudo sujo e alagado. Roubos e assassinatos passaram a ser comuns por lá, onde até mesmo dois serial killers foram procurar vítimas. Em 1985 passeios turísticos “assombrados” passaram a ser feitos ali.

 

07 – Cripta de Nossa Senhora da Conceição dos Capuchinhos (Roma, Itália)

destinos sinistros igreja dos ossos

A igreja de Santa Maria della Concezione foi encomendada pelo Papa Urbano VIII em 1626, mas foi seu irmão, o Cardeal Antonio Barberini, que ordenou em 1631 que os restos de milhares de de freis Capuchinhos fossem exumados e transferidos para a cripta. Ela contém agora os restos de 4.000 freis enterrados entre 1500-1870 e está dividida em cinco capelas. Em uma delas  existe uma placa que diz em três línguas: "O que você é agora, nós um dia fomos; o que somos agora, você será um dia."

 

06 – Catacumbas (Paris, França)

destinos sinistros catacumbas paris

No século XVIII a cidade de Paris estava lotada e os mortos passaram a ser um problema de saúde pública, pois não havia lugar para enterrar tanta gente. Em 1786 foi encontrada uma solução, exumar todos os corpos e transferi-los para minas abandonadas localizadas abaixo da cidade. Vinte anos depois os ossos das pessoas passaram a ser organizados de uma maneira mais organizada, criando uma atração turística incrível.

 

05 – Bhangarh, Índia

destinos sinistros Bhangarh

A cidade foi um reino próspero e bonito no século XVI, mas no fim do século XVIII ela estava completamente deserta. Existem algumas teorias para o fenômeno. A mais aceita é a de que o Guru Balu Nath havia permitido que a cidade crescesse, contanto que a sombra de seus templos não cobrisse sua casa. Os arquitetos não deram muita bola para isso e o local foi amaldiçoado. Outros dizem que a fome e a guerra tirou a população de lá. Curiosamente existe uma placa na entrada da cidade dizendo que os visitantes não devem entrar antes do amanhecer ou depois de anoitecer.

 

04 – Floresta Aokigahara (Japão)

destinos sinistros floresta assombrada

Localizada na base do Monte Fuji, esta floresta é o palco de diversas lendas e mitos envolvendo demônios. Curiosamente 30 pessoas aproximadamente cometem suicídio no local todo ano. Grupos de policiais e voluntários costumam procurar por corpos anualmente. As atrações principais da floresta são as cavernas do vento e do gelo.

 

03 – Campos da morte (Camboja)

destinos sinistros killing fields

Entre 1975 e 1979 um número entre 1,7 e 2,5 milhões de pessoas morreram vítimas de tortura, execução, fome ou trabalhos forçados pelo regime de Pol Pot. Atualmente é possível visitar um monumento chamado Choeung Ek, onde covas coletivas expõem os ossos de diversas vítimas deste genocídio.

 

02 – Unidade 731 (Harbin, China)

destinos sinistros unidade 731

Em um texto escrito em 2009 falei sobre o campo de experimentos japonês chamado Unidade 731 (clique aqui para ver). O local funcionou durante cinco anos desenvolvendo e testando patógenos como cólera, febre hemorrágica, antraz, tuberculose, sífilis, meningite, febre amarela e muito mais. Experimentos com produtos químicos também foram feitos. As cobaias eram prisioneiros de guerra da Coréia, China, Mongólia, União Soviética, EUA e Inglaterra. As ruínas da Unidade 731 estão lá até hoje.

 

01 – Auschwitz (Oswiecim, Polônia)

destinos sinistros Auschwitz

Mais que um local a ser visitado, este é um lugar de lembrança, para que nunca mais nos esqueçamos do que o ser humano é capaz. Este foi o maior campo de concentração e extermínio alemão dentro da polônia durante a Segunda Guerra. Estima-se que quase 3 milhões de pessoas morreram aqui apenas em 3 anos. Atualmente é um ponto turístico, mas com certeza deve dar um calafrio na espinha caminhar por este local. E o calafrio mais por medo dos vivos, que ainda são capazes de atrocidades semelhantes, que dos mortos.

 

Fonte: TripAtlas

4 comentários:

Emerson 1 de novembro de 2010 14:03  

Uma dúvida no 2º lugar: está escrito China no título, mas fala que o campo é japônes? É coisa minha ou é um erro mesmo? Legal o post.

Dmitry 1 de novembro de 2010 15:40  

A Unidade 731 foi construída durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa e foi usada pelos japoneses para fazer testes em prisioneiros de guerra.

Murdock 4 de novembro de 2010 09:47  

E algumas pessoas negam o que Auschwitz realmente foi. E agora, no Brasil, vemos movimentos preconceituosos surgindo apesar de tudo. Preocupante.

Rafael 8 de novembro de 2010 17:58  

O maior campo de concentração não foi Auschwitz e o número de executados foi de 900 mil (nem todos judeus, havia de tudo).
De todo modo, ótimo post! Nunca tinha ouvido falar dos lugares no oriente.

Related Posts with Thumbnails

  © Free Blogger Templates Columnus by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP  

Google+