10 experiências bizarras feitas pelo exército americano

quinta-feira, 30 de abril de 2009

O cinema e a TV sempre pintaram o governo americano como o demônio. Séries como Arquivo-X mostravam diversos experimentos terríveis que os militares e a CIA faziam em seres humanos. O pior de tudo é pensar que a realidade não precisa estar tão longe assim da ficção. Alguns cientistas podem ser seres extremamente monstruosos quando tem a possibilidade. Abaixo você confere 10 experiências feitas pelo exército americano que parecem ter saído de um filme.

10 – Visão infra-vermelha

A marinha americana queria fazer com que seus marinheiros enxergassem melhor durante a noite, podendo captar sinais infra-vermelhos. É de conhecimento geral que a vitamina A possui pedaços de uma molécula sensível a luz localizada nos receptores dos olhos.

O experimento consistia em alimentar um grupo de voluntários com suplementos a base de fígado de perca (Sander vitreus).A visão deles começou a apresentar mudanças animadoras, chegando a se aproximar da região infra-vermelha. A pesquisa foi finalizada por causa da invenção dos óculos infra-vermelhos.

Outros países tentaram este mesmo tipo de experiência. O Japão conseguiu aumentar a visão noturna das cobaias em 100% com o aumento no consumo de vitamina ª

O excesso desta vitamina pode causar doença hepática grave, além de, em grávidas, defeitos fetais, conclui o trabalho. Outros efeitos conhecidos são sonolência, irritabilidade, cefaléia e vômito.

09 – Pilotando um foguete

Nos estágios iniciais da corrida espacial, a NASA realizou alguns testes para ver como o corpo reagia a velocidades muito extremas e súbitas paradas. As experiências iniciais com chipanzés, que geralmente morriam ou tinham danos cerebrais.

Na segunda fase dos testes o coronel John Stapp, da força aérea, passou por testes que o levavam a uma velocidade de 1.017 km/h e a uma gravidade 35 vezes maior que o normal. Stapp passou por 29 testes por vontade própria onde sofreu concussões, costelas quebradas, uma fratura dupla no pulso, perda dental e a ruptura de vasos sanguíneos nos dois olhos.

O foguete que ele usou pôde ser visto no último filme de Indiana Jones, antes da terrível cena da geladeira.

08 – Caindo na velocidade do som

A força aérea queria saber como os pilotos reagiriam a quedas de altitudes extremas. O capitão Joseph Kittinger, Jr já fazia saltos de pontos muito altos, portanto ele foi o escolhido para a missão. O Projeto Excelsior foi realizado entre 1959 e 1960, onde o capitão pulava de um balão de hélio. Em um dos pulos ele estabeleceu os recordes de pulo de para-quedas da maior altitude (31,3 km), maior tempo em queda livre (mais de 4 minutos) e queda livre com maior velocidade (988 km/h). Quando ele saiu do balão a temperatura externa era de 34 graus Celsius negativos.

07 – Guerra alucinógena

Que uma pessoa fica lerda por causa da maconha todo mundo sabe. Os efeitos do uso de drogas como LSD, fenilciclidina ou até mesma a maconha são conhecidos, mas o governo queria saber se elas poderiam ser usadas como armas químicas.

Este motivo levou o exército a conduzir um estudo entre os anos de 1955 e 1972, onde voluntários usaram maconha, LSD e pó de anjo. O uso como armas não foi muito satisfatório, mas uma espécie de artilharia alucinógena que deixava os voluntários sonolentos por dias.

06 – Visão psíquica

Achar o verdadeiro professor Xavier era o objetivo do governo americano entre os anos de 1972 e 1996, quando mais de 20 milhões de Dólares foram gastos em testes extrassensoriais.Os voluntários tentavam, entre outras coisas, enxergar locais onde nunca haviam estado, como bunkers e instalações estrangeiras. Os resultados foram conflitantes e o projeto foi abandonado.

05 – Pacifistas são boas cobaias

O recrutamento militar é obrigatório em tempos de guerra, então o que um religioso que acredita ser pecado tirar a vida de outra pessoa pode fazer? O exército americano apresentou a 2.300 adventistas do sétimo dia uma alternativa: eles podiam ser cobaias para vacinas contra armas biológicas.

Muitos deles afirmam ter passado por períodos complicados, com febre, frio e dores fortes de doenças como a Febre Q. Nenhuma morte foi registrada por esta operação, que foi de 1954 a 1973.

04 – Injeções de plutônio

No fim da Segunda Guerra Mundial o governo americano estava correndo para desenvolver a sua bomba atômica. O problema era que as consequências da exposição ao plutônio não eram muito conhecidas, por isso um pequeno experimento precisou ser feito.

No dia 10 de abril de 1945 o governo injetou plutônio na vítima de um acidente de carro, para ver como o corpo se livrava do material radioativo. Este foi o primeiro de uma série com mais de 400 testes humanos com radiação. As experiências verificavam os efeitos biológicos de várias doses de radiação e tratamentos alternativos para o câncer.

03 – Spray de gás nervoso

Como existia uma ameaça de guerra química e biológica, a marinha resolveu pulverizar em diversos navios lotados de marinheiros gases nervosos como Sarin e VX. O objetivo era testar os métodos de descontaminação e segurança entre os anos de 1963 e o início dos anos 1970.

02 – O guerreiro que não dorme

Para o exército seria maravilhoso ter soldados que não dormissem, ou que passassem um longo período sem querer descansar. Diversos esforços foram feitos. Desde a distribuição de pílulas estimulantes ou até mesmo de substâncias como a anfetamina até o teste de remédios como o modafinil (Stavigile), que é usado no tratamento da apneia do sono. O comprimido deixa o soldado acordado por 40 horas sem nenhum dano aparente a saúde.

Novos testes estão usando a estimulação magnética transcraniana, para ativar o cérebro com eletromagnetismo.

01 – Armadura interna

Assim como o famoso mutante, o governo gostaria de botar em prática uma armadura interna em seus soldados. Entre outros objetivos o governo gostaria de tornar seus soldados a prova de morte para algumas condições como doenças infecciosas, armas químicas, biológicas e nucleares, além de altitudes extremas e ambientes hostis. Para isso o governo pretende dar a seus soldados algumas habilidades encontradas no mundo animal.

A idéia pode parecer interessante, mas a maneira como as experiências serão feitas é que preocupa, pois o governo não tem um histórico muito bom neste quesito.

Fonte: Live Science

4 comentários:

Anônimo 3 de maio de 2009 22:04  

Muito interessante a matéria, mas o cinema e a televisão levam o verbo para o plural. Estrangeiro com x é resultado do novo acordo ortográfico? Não foram só os experimentos que me causaram arrepios!!!

Dmitry 4 de maio de 2009 10:40  

Erros de digitação ocorrem, mas agradeço pela forma amável que foi usada para me apontar estes probleminhas.

Engraçado que as pessoas que xingam ou apontam erros sempre comentam como anônimos. Pode dizer seu nome que eu não terei ódio mortal da sua pessoa ou do seu blog sem erros caso ele exista.

Abraços.

Diogo Reis 4 de maio de 2009 14:51  

Muito legal a matéria.
E quanto ao comentário do erro de digitação. Acontecem... Pena que alguns gostam de se exaltar em corrigir os outro por um erro tão comum.

freefun0616 3 de novembro de 2009 10:30  

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

Related Posts with Thumbnails

  © Free Blogger Templates Columnus by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP  

Google+